Reparo condicionador de ar portátil Philco PH11000QF

Session.

Este é um daqueles casos em que a engenharia se prostitui: aparelho portátil que promete 10.000 BTU com toda praticidade de não depender de instaladores e furos nas paredes. E que também não funciona bem.

Para começar a explicar, esse engodo vendido pela Philco (que é uma das marcas na minha lista negra de fabricantes low cost) além de não condicionar a temperatura do ambiente de forma satisfatória, também não consegue trabalhar em silêncio. Um barulho infernal sem parar. Mesmo na função ventilação, é altamente ruidoso. Um projeto fadado ao fracasso desde o início. A troca de ar é totalmente ineficaz - para não dizer burra - já que o ar quente que sai pelo tubo é roubado do ambiente interno, ou seja, parte do esforço do aparelho é cuspido janela afora, tornando mais burro ineficiente ainda seu funcionamento. O correto - e que muita gente acabou fazendo nesses casos, vide Google - seria ter dois tubos para fora do ambiente, para que a troca não interferisse no ambiente interno. Tecidos meus argumentos para com a engenharia da Philco, vamos ao defeito.

Uma bela noite de verão, utilizando essa coisa apenas como ventilador, ela simplesmente se desligou. Não era falta de energia elétrica, nem havia desligado via timer. Parou mesmo. Para minha sorte, tinha um ventilador de mesa para salvar a noite. 

Pela manhã, abri a geringonça para ver e... Viper 22A. Sim, aquele ingrato presente em quase todas as fontes chaveadas xing-ling. Esse carinha até cumpre seu papel, mas quem projeta as fontes coloca toda sua confiança sobre ele, sem qualquer respeito com o bom senso. Daí, um belo dia, esse carinha se revolta e abre o bico. De cara, já pensei que fosse ele. Nem me preocupei, deixei de lado para comprar o ingrato e trocar no dia seguinte. No dia seguinte, lá fui eu verificar a fonte. Claro, antes de trocar o Viper, fui verificar mais alguns detalhes. Macaco velho. É uma fonte muito simples, sem muito o que se dizer: relés para acionar os motores e seus estágios de velocidades, relé parrudo pro compressor, fusível padrão na linha... Fui medir um 7805 que é o cabeça de todo o start do aparelho e lá estava um curto. Mas olha, é difícil esse regulador entrar em curto... Até hoje, nesses muitos anos de bancada, não me lembro de pegar algum assim. Geralmente ele estoura, ou queima e fica aberto. Mas em curto, ainda não vi. Fui medindo para trás dele, diodos. Um schottky de 2A que gerava a tensão principal de tudo estava totalmente em curto, impedindo o Viper de partir. Muito eficaz, menino. A maioria dos reparadores porcos colocaria qualquer diodo no lugar, o aparelho ligaria e voltaria para a casa do cliente com o diagnóstico mais mirabolante do mundo que custaria nada menos que R$ 200. Claro que eu não tinha o mesmo diodo para trocar, mas tinha um schottky parrudão de 5A de características muito próximas numa sucata. Soldei por baixo da placa mesmo, para testar, porque a furação do diodo original era bem menor. Solda, põe na tomada e BIP! O ingrato retorna.

Deixei ele ligado 'gelando' (hahaha) e testei as tensões. Tudo normal. O erro da Philco - e de muitos fabricantes - é colocar um diodo de 2A para sustentar um sistema que vai consumir 2A. Não que, necessariamente, seja este o caso, até porque não cheguei a me dar ao trabalho de medir a corrente total desse sistema em full power. Mas para um schottky entrar em curto desse jeito, só pode ser cagada. Por que os aparelhos mais antigos que utilizam os mesmos diodos seguem funcionais após 10, 20 anos de uso? Projeto bem feito.

Assim como para a área da saúde a cura não é bom para os negócios, também não pode ser para a indústria eletroeletrônica. Imagina que louco você comprar hoje um notebook, um aparelho de TV ou som que vai funcionar sem qualquer problema por pelo menos 10 anos! Não, isso não vai acontecer.

Ah, e não comprem esses condicionadores de ar portáteis. Nem as coisas da Philco.