Fonte (PSU) ATX HIPRO HP-D2537F3R

Session.

Essa aqui é para registrar minha adoração por bons projetos. Essa fonte é de um cliente que veio para manutenção (não na fonte) e como sou chato, sempre abro a fonte para verificar possíveis capacitores estufados e também para limpar o cooler. Às vezes troco o cooler, quando realmente não tem mais jeito. E vendo essa fonte por dentro, não resisti e tirei algumas fotos pro site. 

Pesquisei bastante mas não encontrei nenhum site que falasse da fonte, somente e-commerce em geral e Mercado Livre. Não vou me aprofundar nem analisar tecnicamente o projeto dos caras, mas olhando de perto é inquestionável o cuidado, a disposição das peças, o filtro AC na entrada, os triplos acopladores ópticos, os capacitores escolhidos (sim, se você não sabia dessa, até capacitores possuem datasheet e aplicações específicas para cada situação) e a própria carcaça, resistente e bem montada. Não há dúvidas do quesito qualidade da montagem.

Também vale ressaltar o tamanho dos dissipadores, o trato na escolha dos transistores (parrudos) e no geral, achei um excelente projeto. Esse cliente liga a máquina DIRETO NO 220V há muitos meses, e nunca teve problemas com essa fonte. Nas poucas referências que encontrei, a HIPRO é reposição para desktops HP. Ou seja, confirmada a informação, se a HP usa não pode ser um projeto low cost, concorda?!







CM6631P50A - um CI versátil e surpreendente (carregador veicular e aplicações similares)

Session.

Estava precisando de uma fonte confiável para manter carregado um rastreador veicular - que possui bateria interna mas que não possui conexões diretas para integração elétrica com o carro - que de forma recorrente precisa ser recarregado, tornando-se um inconveniente. As baterias internas já estão meia boca, daí pensei em manter ele conectado direto no pós-chave do carro, para que todas as vezes que fosse dada partida, ele recebesse carga. Pensei em várias soluções, mas todas foram descartadas quando me lembrei desse CI, muito visto em carregadores veiculares (é meu caso) e em carregadores de baterias de pequeno porte em geral. 

Tenho há alguns anos um carregador veicular i2GO 2USB (I2GDBL197) que NUNCA deu problema e não aquece mesmo quando utilizadas as duas portas que ele possui. Uma ideia muito convincente de que isso daria certo se sobrepôs ao resto e decidi sacrificar o bichinho em prol de uma causa maior. Fui atrás do datasheet do CM6631P50A e ele realmente surpreende. Inúmeras proteções, controle avançado de corrente e tensão na saída, compensação de cabo (perdas) e um tamanho super reduzido com poucos componentes externos. Achei muito viável aplicá-lo nessa solução, já que seu consumo é extremamente baixo e pelo que li no datasheet, possui requisitos de segurança bastantes fortes quanto ao gerenciamento de energia.

Foi muito simples: removi as portas USB, soldei diretamente o cabo de alimentação microUSB, soldei dois cabos de entrada de energia e pronto. Assim que for instalado no veículo, dou mais detalhes sobre o acabamento, a forma como mantive o circuito selado contra as intempéries do ambiente e também sobre a instalação elétrica em si.




** 13/07/2020

Para finalizar, consegui uma caixa plástica do tipo 'passa fio' que era de uma sucata de fonte, abrigava o conector AC que vinha da tomada e entrava na fonte. Coube perfeitamente o circuito, e para selar usei a boa e velha fita isolante 3M depois de colar a caixinha com Araldite. Fixado por trás do painel do carro, tudo bem preso e discreto. 

A conexão ficou no pós-chave (não vejo razões maiores para ligar direto na bateria) e no mesmo circuito do acendedor que tem capacidade de corrente maior, fusível dedicado de fábrica e facilidade na hora de soldar os cabos. Ficou muito bom, fim do problema da carga!

Detalhe: apesar do circuito 'prometer' até 2,1A a medição de carga com o rastreador conectado ficou cravada em 300mA, um número muito desejável para essa aplicação.


Detalhe do CI

Soldas e conexões

Carregador sacrificado

Carregador sacrificado 2

Finalização dos cabos

Aspecto final

Como não ficar no escuro quando faltar energia elétrica (chegou o inverno!) usando um nobreak

Aqui vai um post diferente sobre uma situação inusitada que na minha opinião deve ser registrada. Não preciso dizer que inverno + fornecimento de energia elétrica no Brasil é uma novela recém lançada com final conhecido por todos né. Hoje, primeiro dia de julho, acordei de madrugada com ventos loucos e muita chuva. Pela manhã, sem energia elétrica e sem sinal da Vivo. Normal.

Para quem acorda muito cedo, a escuridão do inverno requer luzes acesas para que a pessoa se desloque pela casa sem se bater nos móveis. SOLUÇÃO? Por que não usar meu nobreak para iluminar a casa?!

Se você tem coragem, um quadro de energia dentro da casa e um nobreak de pelo menos 700VA, vamos aos passos:

  1. DESLIGUE TODOS OS DISJUNTORES do quadro interno da casa (ou um geral, se tiver);
  2. Monte um cabo de alimentação padrão (NFT ou FFT) com tomadas macho nas duas pontas;
  3. Conecte esse cabo DA SAÍDA DO NOBREAK À TOMADA DA SUA CASA - qualquer uma;
  4. DESLIGUE E RETIRE DAS TOMADAS TODOS OS EQUIPAMENTOS DE ALTO CONSUMO como refrigeradores, freezers e coisas assim, deixando apenas lâmpadas para serem acionadas;
  5. Se suas lâmpadas de casa são a base de LED, melhor ainda. E se forem bivolt (90V~240V) será excelente porque a saída do nobreak geralmente é 115V (aqui no Sul, temos padrão 220V para residencial na maioria dos locais, mas minhas lâmpadas são quase todas bivolt); 
  6. Ligue o nobreak e acenda o menor número de lâmpadas possível para manter o consumo baixo e ter mais autonomia;
  7. Aproveite!

Pontos importantes: se seu nobreak tiver saída 220V e sua região for 127V, NÃO FAÇA ISSO. O contrário também vale o NÃO FAÇA ISSO. Essa é uma medida extrema e emergencial e eu não estou dizendo que isso é correto nem estou recomendando que alguém faça a mesma coisa. A maioria dos nobreaks 'pequenos' não são senoidais, e dependendo do que você for ligar na saída dele, pode danificar tanto o nobreak quanto o que você estiver tentando alimentar. A ideia aqui é tão somente ter energia na rede interna da casa para alimentar as luzes numa situação de emergência e não tocar a casa inteira na saída de um nobreak goiabinha. Obviamente que seu nobreak deve permitir o acionamento a frio (cold start) para que essa experiência dê certo. Também é de suma importância que ele esteja com carga e com baterias em dia, mesmo sendo implícito é algo que deve ser lembrado. A autonomia de um nobreak de 700VA alimentando de uma a três lâmpadas LED (odeio esse termo comercial) é grande, não posso afirmar porque quando saí de casa ainda tinha uma grande carga disponível - devo ter usado por cerca de 40 minutos ou mais e o nobreak sequer alertou alguma coisa. Tenho um SMS New Station 700bi. E adoro SMS.

E o mais importante: depois que fizer uso dessa técnica ousada, desligue o nobreak e retire-o da tomada antes de religar os disjuntores do seu quadro.