Reparo na fonte SFX KEMEX PB-200CNF (ou mini fonte ATX)

Session.

Aqui vai uma dica rápida para quem já pegou essas fontes SFX/ITX e não achou nenhum componente estourado ou em curto e mesmo assim, a fonte não partia. Essa aí é uma KEMEX SFX PB-200CNF. Primeira coisa é ver se tem tensão na fonte de stand by, e quase sempre tem. Mas a fonte insiste em não partir. A causa provavelmente é um ou os dois transistores chaveadores. No meu caso, um deles se comportava como dois resistores de baixo valor, perdendo totalmente a sua característica. Feita a troca dele, a fonte partiu na hora e com todas as tensões corretas. Por isso não confio muito nesses testes de continuidade quando se trata de transistores, FETs, MOSFETs etc. Quando surge aquela dúvida, retiro o componente da placa e testo.

O mesmo problema pode ocorrer em outros modelos de fontes ATX, recomendo sempre checar esse estágio da fonte mesmo que o multímetro não acuse curto. Melhor testar do que apanhar da fonte ou condenar a coitada.
 





Esse é o vilão




Mudanças, mudanças!

Este site é uma metamorfose ambulante, sempre aberto ao novo e ao mais eficaz. Por isso, após quase três anos sem grandes mudanças, achei que era hora de iniciar devagarinho algumas coisas que venho pensando já faz tempo. Uma delas já fiz: deixar um fundo único, sem o antigo background para carregamento mais rápido nos dispositivos de menor capacidade e mobile. A outra fica por conta da implantação do DISQUS para gerenciar os comentários, que é uma excelente ferramenta para essa função.

A ideia é tornar o site o mais leve possível e também aprimorar a leitura, tanto que a fonte principal já foi alterada há algum tempo. Que venham as novidades!

Desleixo, corte de custo ou tudo isso junto num projeto?!

Session.

Já declarei minha preferência pelos equipamentos SMS aqui antes e faz muito tempo que venho pensando em criar esse artigo sobre a TS Shara. Quem acompanha a trajetória do diyPowered já conhece bem as premissas e valores que sustentam essa ideia/movimento pró qualidade. E a TS Shara é uma das marcas em que eu não confiaria meus equipamentos. Uma pena, uma empresa nacional com 30 anos de história...

Já tive a oportunidade de trabalhar com alguns modelos de no-breaks e de estabilizadores de tensão da marca e em raras ocasiões pude me deparar com um equipamento projetado de forma eficiente, respeitando os componentes, pensando nas futuras manutenções que todo e qualquer equipamento de proteção deverá passar ainda. Repito: raros modelos em que eu já tive a oportunidade de trabalhar pude conferir qualidade e preocupação com um projeto bem executado.

Os gabinetes

Os metálicos, em especial, são frágeis, montados em chapas finas e costumam vir com pequenos amassados já de fábrica. Os parafusos dificilmente fixam corretamente a tampa e as coisas parecem que não foram feitas umas para as outras, deixando frestas e muitas vezes um aspecto relaxado que me deixa sempre bastante decepcionado.

Os gabinetes plásticos, em geral, possuem até boa concepção mas em alguns casos falham no quesito ventilação natural e fixação dos componentes: fiação encostando no transformador por exemplo, é pedir para ter problema. Em questão de design até que são atraentes, pena que internamente a atração para o técnico reparador seja repulsa.

Ativos

As placas possuem um tamanho bastante razoável, tornando os equipamentos compactos. Mas isso entra em conflito direto quando o assunto é manutenção. Vários componentes são em formato SMD, como resistores, capacitores e até o queridinho LM324: tudo SMD. Gosto de SMD mas em circuitos que não vão demandar uma manutenção futura grande. Daí você tem uma PCI frágil, trilhas estreitas, componentes SMD próximos demais e pontos de aquecimento tão mal dimensionados que a placa chega a ficar toda marcada. E alguns componentes esquentam muito mesmo... Tem uma autorizada aqui na cidade que nem se dá ao trabalho de reparar, já orça placa nova. Isso também vale para alguns modelos da NHS - outra nacional com décadas de história - que tive por várias ocasiões em bancada, que também vêm cheios de SMD e você se obriga a trocar a placa inteira para evitar o risco e o trabalho chato que é mexer em SMD. Mas diferentemente da TS Shara, os equipamentos da NHS seguem um certo protocolo de produção que, embora cometam os mesmos erros na concepção desenfreada por SMD, ainda conseguem se distanciar da TS Shara em qualidade. Fora que os NHS raramente dão problema. Mas fica pra um outro post a NHS.

Situação difícil de entender (ou pegadinha do projetista)

Dia desses veio para minha bancada um TS Shara UPS Mini 600 Bivolt Black com um defeito comum: desliga as saídas ao faltar energia elétrica. Para os mais experientes é uma barbada. Mas nunca é uma barbada quando se trata de um TS Shara! Fiz a troca do relé de saída, que realmente estava com os contatos ruins, mas ao testar o no-break ele ainda apresentava o mesmo problema. Testei TUDO EXAUSTIVAMENTE por horas e o problema persistia. Chamei o Vinícius (voa.aquino@msn.com - quem fez as melhores fotos desse post!) pra dar uma olhada junto comigo porque naquela tarde eu já havia enfrentado emoções fortes com um cliente folgado em atendimento de campo. Depois de uns dez minutos pensando coletivamente, chegamos a uma conclusão que nos deixou com cara de idiotas: alguém na TS Shara achou cool colocar seis tomadas num nobreak de 600VA com uma bateria de 2A, mas achou coolest destinar 3 dessas tomadas apenas como tomadas protegidas. Ou seja, enquanto eu continha uma vontade imensurável de atirar aquele embuste comercial na parede também tentava entender o que levou essa gente a fazer essa cagada. Imagina o usuário final ligando seu computador ali nas tais tomadas protegidas e quando falta energia elétrica, ele perdendo todo seu trabalho... e ainda vai ligar na loja que vendeu pra ele puto da cara. Até que eles possuem um álibi: uma etiqueta muito da mal feita ali atrás, só pra dizer que não avisaram... que vergonha. É algo comum em alguns modelos a distinção de tomadas UPS e tomadas estabilizadas, claro que é. Mas o correto é que o fabricante deixe isso explícito no equipamento. No mais, explanada minha repulsa às cagadas comerciais dessa marca em questão, quando você quiser saber mais sobre algum equipamento, consulte um técnico e não acredite em vendedores. Eles só vendem. Eu só venderia algo que eu comprasse.

Então, quando for comprar no-break e o vendedor lhe oferecer esse embuste aí, dê uma risadinha de canto e pergunte se tem outra marca. De preferência SMS Legrand, que dificilmente dá problema. E quando um SMS dá problema, é fácil reparar e é mais fácil ainda conseguir peças pra ele.

Me lembrei agora de um outro caso curioso com a marca: um modelo diferente desse não trazia identificação correta da tensão de saída: foi impresso 115V/220V sendo igual para a entrada. Erro de digitação?! Ao ligar na tomada pra testar, a saída dele era 220V quando deveria ser 115V. Esse no-break era novo, acabava de chegar da fábrica e iria para uma cliente. Identifiquei as saídas pra evitar problemas...

Importante lembrar que...

Só pra constar, a ideia aqui é mostrar fatos e não denegrir a imagem ou a história da marca TS Shara, que passa dos 30 anos de história e é nacional. Valorizo muito o trabalho, a tecnologia e a produção do nosso país, mas sou exigente nisso porque lá fora, se um engenheiro ou técnico reparador visse esse nível de projeto, certamente teríamos mais posts como este. Aqui, trata-se de um artigo CONSTRUTIVO para fins de melhorias em processos e projetos. 

Uma grande fonte de informação sobre como anda a qualidade dos projetos - e isso vale para qualquer segmento fabril - pode estar justamente lá na outra ponta: o técnico reparador. Esse carinha tem muita informação e acesso a praticamente todas as marcas do mercado. Passem a consultar o técnico reparador que, sem sombra de dúvidas, seus processos serão aprimorados

E sobre a SMS Legrand, não tenho qualquer vínculo com a empresa e este não foi um post patrocinado.


Detalhe de carga na bateria

Bateria muito próxima ao transformador que é muito
próximo da placa que fica colado na fiação


Frontal da carcaça

Aqui, o embuste: três tomadas UPS e três 'protegidas'

Muito SMD...

Detalhe da face cobreada da placa

Etiqueta de identificação do produto


Novo projeto - super fonte de bancada inteligente (microcontrolada, digital e ainda sem nome)

Como mencionei lá na página 'produção', a fonte de bancada F5812ADJ está cansada e uma novíssima já se encontra em desenvolvimento. O projeto está a toda e já tenho praticamente todo o programa dela escrito e testado, restando pequenos ajustes que virão com a montagem final dela em gabinete. Por isso achei que já era hora de criar o post desse novo projeto para gravar os logs como antigamente, e também para me guiar no curso atual.

Ainda não tem nome, modelo ou coisa que o valha. Mas já temos algumas características a mencionar:

  • Fonte de alto poder com filtros AC, grande reserva de potência e regulagem ativa controlada digitalmente via ATMEGA;
  • Controle fino de seleção de tensão e amostragem em display LED dedicado;
  • Proteção ativa e rápida contra curto-circuito, carga excessiva (overload) e alta temperatura que desliga a carga, gera alertas sonoros e visuais e em condição de alta temperatura de operação também aciona ventilação forçada (cooler) para resfriar rapidamente todo o sistema (o cooler não é utilizado durante operação normal, apenas em modo de proteção);
  • Alertas sonoros e visuais para todos os eventos;
  • Chaves de seleção de tensão com dupla função: chave para aumentar tensão, chave para diminuir tensão e quando pressionadas simultaneamente, resetam a saída da fonte para seu estado inicial (menor tensão ou zero);
  • Modo de espera (stand by) que mantém sistema pronto para uso com baixíssimo consumo de segundo plano (permite corte da alimentação AC via chave traseira para longos períodos sem uso); somente stand by
  • Cooler de alto rendimento para condições de alta temperatura permite ao sistema uma rápida recuperação do seu estado normal de operação (acionado somente em modo de proteção contra alta temperatura);
  • Ground separado do terra da carcaça (selecionável);
  • Operação em 127V ou 220V selecionável internamente; somente 220V
  • Tamanho reduzido e gabinete com ventilação natural estendida;
  • Dissipação de calor superdimensionada em todos os componentes críticos;
  • Componentes superdimensionados (claro!);

Por enquanto são essas as características ** iniciais ** do projeto, podendo ser alteradas, subtraídas ou adicionadas funções e melhorias.

** 29/08/2020 ---------------------------------------------------------------

Algumas alterações no projeto:

  • Corrente aberta (sem ajuste) com amostragem em display LED dedicado;
  • Transformador dedicado para potência de 16V + 16V x 5A;
  • Alimentação da parte lógica, sensores, proteção (relé, cooler etc.) dedicada;
  • Etapa de potência superdimensionada (5x maior do que a corrente máxima da fonte);
  • Reserva de potência de 18,800µF;
  • Diodos da etapa retificadora dimensionados para 8A 12A; selecionados 6A2
  • Display de operação (tensão e corrente) conjugado para montagem em painel;
  • Gabinete metálico, totalmente blindado, com boa ventilação natural e terra isolável do GND da fonte (útil em algumas situações);
  • Cabo de força padrão novo reforçado;
  • Algumas melhorias no código, em destaque as proteções e tempos de atuação dos sensores;

** 06/09/2020 ---------------------------------------------------------------

Hoje foi dia de furar o gabinete e começar a alinhar os componentes maiores: os dois trafos (potência e acessórios/lógica) e o dissipador de calor principal, que é bem parrudo e dissipa todos os reguladores e transistores do projeto. Um único dissipador para tudo, sim. Dessa forma consigo monitorar a temperatura de trabalho com um único sensor, otimizando meu bloco de códigos e compactando mais ainda o projeto, que conta com um gabinete bastante apertado e dissipação passiva.

Com a folia dos Correios em greve, ainda não recebi alguns componentes do painel e não pude iniciar as furações e definições dele. Também instalei os circuitos retificadores - que na potência, conta com diodos 6A2 e uma super filtragem - e fixei os filtros de entrada AC e o relé do liga/desliga. Esse relé - acho que ainda não havia mencionado - é quem alimenta (AC) o trafo da potência, sendo o responsável por cortar a energia elétrica dele quando o sistema entra em stand by, tornando o consumo de espera extremamente baixo - só fica ativa a fonte de acessórios/lógica. Dessa forma, além de reduzir drasticamente o consumo de espera, também poupa todos os componentes ativos como o transformador, os diodos, o banco de capacitores etc.

Dentro dessa session, também cuidei de manter isolados o GND da carcaça (comum) e o terra que vem da tomada, como já mencionei anteriormente. O que ainda fiquei devendo é se essa comutação será via chave no painel ou na traseira da fonte, e qual tipo de chave será essa. E como não poderia ser diferente, quebrei mais uma broca.

Além do painel que não pude trabalhar por causa dos Correios, preciso de um cabo de força decente para a fonte.

** 14/09/2020 ---------------------------------------------------------------

Dia de passar cabeamento pelo gabinete, interconectar os circuitos e de testar a potência. Tudo correu como previsto no papel, potência testada assim como os reguladores e demais drivers acionadores. Aproveitei para fixar o cooler da proteção térmica, testar o seu acionamento e também já fixei a placa lógica ao gabinete. Com sorte eu recebo essa semana algumas coisas dos Correios para dar prosseguimento ao projeto. 
 
** 26/09/2020 ---------------------------------------------------------------
 
Depois de muita espera, consegui resgatar as peças numa agência dos Correios... Já furei o painel frontal para encaixar o voltímetro/amperímetro e selecionei os dois LEDs frontais principais, indicadores das funções e status. São dois LEDs bicolores, um indicando status e o outro indicando se a fonte está ligada ou em stand by. Finalmente vou poder tocar o projeto novamente!

** 27/09/2020 ---------------------------------------------------------------

LEDs, display, botões power e de seleção de tensão afixados, fiação passada. Agora é interconectar a lógica ao conjunto e iniciar os testes práticos. 
 
** 29/09/2020 ---------------------------------------------------------------
 
Cabeamento do painel frontal interconectado à placa lógica e de controle. Fiação extra para os componentes ativos passados e agora é a parte que vai ficando mais divertido: ligar tudo e otimizar o código.  

** 04/10/2020 ---------------------------------------------------------------
 
Tudo interconectado e primeiro teste com carga executado com sucesso. Preciso rever o alinhamento dos componentes no dissipador, alguns estão com deficiência na dissipação de calor. Também configurei a porta serial que permite gravação de programa diretamente na fonte, sem retirar o ATMEGA, utilizando a placa Arduino Uno. Isso ajuda bastante a atualizar e otimizar o programa sem ter que ficar retirando e colocando de volta do ATMEGA.
 
Estou próximo de finalizar o projeto, faltando apenas alguns ajustes e correções.

** 12/10/2020 ---------------------------------------------------------------

Dia de ajustes. E de modificações na etapa de potência, que tinha uma queda de tensão grande quando  se aumentava a corrente. Problema resolvido. Já estou na etapa final, faltam poucos detalhes pra acertar como o disparo das proteções de overload e temperatura. No mais, a fonte me parece mais um projeto grandioso. 
 
** 15/10/2020 ---------------------------------------------------------------
 
Desconfio que os diodos ou o trafo da potência estejam com alguma deficiência na entrega de corrente, porque depois dos testes do dia 12/10 a tensão passou a cair bastante novamente. Em suma, vou testar o circuito regulador com uma fonte externa para verificar se meu trafo/retificador está bom.  

** 16/10/2020 ---------------------------------------------------------------
 
Como diriam no Hackaday, FAIL OF THE WEEK! Levantando meu esquema elétrico do circuito regulador - depois de rever meu trafo e retificadores de alta corrente - notei uma deficiência absurda na regulação quando em carga a partir dos 2A. Impensável para um trafo da Comando de 16V + 16V que entrega até 5.4A, comprado há uns 3 anos.

Solução: a simplicidade é sempre a melhor solução. Vou utilizar o bom e velho potenciômetro para fazer a regulagem da tensão e deixar de lado a seleção digital da tensão. Vai me poupar tempo - já que preciso muito que essa fonte seja concluída por conta de projetos parados na bancada - e estabelecer ainda mais confiabilidade ao projeto. No fim, foi até bom dar essa zebra aí: imagina ter na saída da fonte um circuito complexo de alta corrente alimentado com 5V; agora imagine uma falha na regulação digital que faça com que a potência abra toda a tensão disponível na saída. Imaginou? Pois é. Dificilmente isso vai acontecer se a regulação for feita pela boa e velha eletrônica.

Por fim, todas as demais funções atribuídas ao microcontrolador permanecerão (power, cooling, temp, overload etc.) ficando de fora somente essa função da regulação digital. Ontem fiz o teste de carga com o circuito da potência sendo regulado por potenciômetro e nenhuma queda de tensão relevante foi notada, tudo dentro do esperado - algo na ordem de 12.2V que caiu para 12.0V o que é mais do que normal para uma carga máxima de 5.4A. No mais, agora a coisa fica pronta!

** 18/10/2020 ---------------------------------------------------------------

Reta final! Finalmente afinei o circuito de potência e conseguir tirar corrente mais que suficiente para a grande maioria dos projetos. A fonte antiga tinha uma corrente máxima simultânea de 3A, mas limitada em 1A por linha de regulagem, o que me deixava na mão às vezes em alguns projetos e testes.

O trafo promete até 5.4A com alguma queda pouca de tensão, mas como sigo fielmente as premissas diyPowered não vou fazer o carinha aquecer muito: limitei a corrente máxima final para 4.2A, entrando em proteção a partir dos 4.33A ou em pico. Também modifiquei a etapa de potência e passei a utilizar transistores Darlington porque são robustos, possuem um ganho absurdo e são altamente confiáveis. Também finalizei o painel frontal adicionando a chave LIFT/GROUND que permite conectar ou desconectar o comum da fonte ao terra da rede elétrica. Fiquei muito satisfeito com o desempenho da fonte, agora que o hardware foi finalizado. Adiante, virão os testes de temperatura com o gabinete fechado, para ver como se comporta o sistema. O projeto é tão completo que talvez mereça um vídeo à moda PROCATER e afins, vamos ver. 

Como adaptar fones de ouvido a (quase) qualquer equipamento?

Pode parecer simples para quem já está na área há alguns carnavais, mas muita gente não sabe por onde começar. Recebi um e-mail do Marcio (olá!) esse final de semana onde ele diz ter uma TV Semp igual àquela minha e que gostaria de saber como adaptar uma saída para fones de ouvido nela. Mas nas suas próprias palavras, ele não tem a menor noção de como fazer isso. Então, Marcio, vamos a um tutorial básico!

Primeiramente, você vai ter que comprar em alguma loja de componentes eletrônicos (ou utilizar algum de sucata) um plug P2 (dos pequenos, iguais aos de fones de celular) ou P10 (aquele formato grande que chamam de 'banana') fêmea estéreo. Esse padrão do plug (P2 ou P10) depende do fone de ouvido que você pretende usar. Seja qual for o padrão adotado, é importante que o plug possua um formato que permita a fixação em painel, seja por rosca ou por encaixe, senão você terá que colar e isso atrapalhará futuras manutenções. Também compre dois resistores de 120R 1/4W. Importante esse plug possuir chave integrada, não é difícil encontrar, porque precisamos dela para comutar entre os fones e os falantes da TV, fazendo a função de desligar os falantes quando o fone é plugado e religá-los quando os fones são desconectados. 

De posse desse plug (que constitui 80% desse projeto!), vamos iniciar os trabalhos. Defina onde você vai fixar esse plug para os fones, antes de qualquer coisa, e já faça a furação. Feito isso, aquele chicote dos falantes vai ter que ser cortado e cada ponta soldada de acordo com o esquema. Não tem mistério aqui. Aquelas chaves de seleção podem parecer complicadas, mas usando um multímetro na escala de continuidade você poderá identificar facilmente a posição em que elas se encontram sem ter o fone conectado. Solde os resistores seguindo o esquema (a saída da chave que vai para os fones deve estar aberta, e quando se conecta o fone ela se fecha passando som para os fones e cortando os falantes) e fixe o plug onde você furou no gabinete da TV. Antes de ligar a TV, meça todas as conexões entre os cabos positivo e negativo dos falantes, tanto com o fone plugado quanto desplugado e certifique-se de que não há curto-circuito. Não tenha pressa de testar: melhor 'perder' cinco, dez minutos conferindo o circuito do que danificar o equipamento. Se tudo foi seguido à risca, deve funcionar de primeira sem complicações.

Importante lembrar que trabalhar com TVs (e com outros equipamentos também) pode ser perigoso devido às tensões altíssimas que são encontradas em diversos pontos, além das áreas vivas, que não possuem qualquer isolamento da rede elétrica. Tome precauções também nas conexões para não criar um curto na saída do amplificador que, dependendo do tipo, poderá queimar instantaneamente. Não me responsabilizo por quaisquer danos ao equipamento e tampouco por possíveis acidentes que por ventura ocorram. Tome todos os cuidados e descarregue os circuitos antes de qualquer procedimento.

O esquema pode ser alterado para trabalhar com outros equipamentos também, sem qualquer problema, com as devidas alterações dos valores de R1 e R2. É possível utilizar em TVs e equipamentos com saída mono seguindo o esquema em anexo. Espero que seja de grande ajuda!


Clique para ampliar ou baixar


Fonte (PSU) ATX HIPRO HP-D2537F3R

Session.

Essa aqui é para registrar minha adoração por bons projetos. Essa fonte é de um cliente que veio para manutenção (não na fonte) e como sou chato, sempre abro a fonte para verificar possíveis capacitores estufados e também para limpar o cooler. Às vezes troco o cooler, quando realmente não tem mais jeito. E vendo essa fonte por dentro, não resisti e tirei algumas fotos pro site. 

Pesquisei bastante mas não encontrei nenhum site que falasse da fonte, somente e-commerce em geral e Mercado Livre. Não vou me aprofundar nem analisar tecnicamente o projeto dos caras, mas olhando de perto é inquestionável o cuidado, a disposição das peças, o filtro AC na entrada, os triplos acopladores ópticos, os capacitores escolhidos (sim, se você não sabia dessa, até capacitores possuem datasheet e aplicações específicas para cada situação) e a própria carcaça, resistente e bem montada. Não há dúvidas do quesito qualidade da montagem.

Também vale ressaltar o tamanho dos dissipadores, o trato na escolha dos transistores (parrudos) e no geral, achei um excelente projeto. Esse cliente liga a máquina DIRETO NO 220V há muitos meses, e nunca teve problemas com essa fonte. Nas poucas referências que encontrei, a HIPRO é reposição para desktops HP. Ou seja, confirmada a informação, se a HP usa não pode ser um projeto low cost, concorda?!







CM6631P50A - um CI versátil e surpreendente (carregador veicular e aplicações similares)

Session.

Estava precisando de uma fonte confiável para manter carregado um rastreador veicular - que possui bateria interna mas que não possui conexões diretas para integração elétrica com o carro - que de forma recorrente precisa ser recarregado, tornando-se um inconveniente. As baterias internas já estão meia boca, daí pensei em manter ele conectado direto no pós-chave do carro, para que todas as vezes que fosse dada partida, ele recebesse carga. Pensei em várias soluções, mas todas foram descartadas quando me lembrei desse CI, muito visto em carregadores veiculares (é meu caso) e em carregadores de baterias de pequeno porte em geral. 

Tenho há alguns anos um carregador veicular i2GO 2USB (I2GDBL197) que NUNCA deu problema e não aquece mesmo quando utilizadas as duas portas que ele possui. Uma ideia muito convincente de que isso daria certo se sobrepôs ao resto e decidi sacrificar o bichinho em prol de uma causa maior. Fui atrás do datasheet do CM6631P50A e ele realmente surpreende. Inúmeras proteções, controle avançado de corrente e tensão na saída, compensação de cabo (perdas) e um tamanho super reduzido com poucos componentes externos. Achei muito viável aplicá-lo nessa solução, já que seu consumo é extremamente baixo e pelo que li no datasheet, possui requisitos de segurança bastantes fortes quanto ao gerenciamento de energia.

Foi muito simples: removi as portas USB, soldei diretamente o cabo de alimentação microUSB, soldei dois cabos de entrada de energia e pronto. Assim que for instalado no veículo, dou mais detalhes sobre o acabamento, a forma como mantive o circuito selado contra as intempéries do ambiente e também sobre a instalação elétrica em si.




** 13/07/2020

Para finalizar, consegui uma caixa plástica do tipo 'passa fio' que era de uma sucata de fonte, abrigava o conector AC que vinha da tomada e entrava na fonte. Coube perfeitamente o circuito, e para selar usei a boa e velha fita isolante 3M depois de colar a caixinha com Araldite. Fixado por trás do painel do carro, tudo bem preso e discreto. 

A conexão ficou no pós-chave (não vejo razões maiores para ligar direto na bateria) e no mesmo circuito do acendedor que tem capacidade de corrente maior, fusível dedicado de fábrica e facilidade na hora de soldar os cabos. Ficou muito bom, fim do problema da carga!

Detalhe: apesar do circuito 'prometer' até 2,1A a medição de carga com o rastreador conectado ficou cravada em 300mA, um número muito desejável para essa aplicação.


Detalhe do CI

Soldas e conexões

Carregador sacrificado

Carregador sacrificado 2

Finalização dos cabos

Aspecto final

Como não ficar no escuro quando faltar energia elétrica (chegou o inverno!) usando um nobreak

Aqui vai um post diferente sobre uma situação inusitada que na minha opinião deve ser registrada. Não preciso dizer que inverno + fornecimento de energia elétrica no Brasil é uma novela recém lançada com final conhecido por todos né. Hoje, primeiro dia de julho, acordei de madrugada com ventos loucos e muita chuva. Pela manhã, sem energia elétrica e sem sinal da Vivo. Normal.

Para quem acorda muito cedo, a escuridão do inverno requer luzes acesas para que a pessoa se desloque pela casa sem se bater nos móveis. SOLUÇÃO? Por que não usar meu nobreak para iluminar a casa?!

Se você tem coragem, um quadro de energia dentro da casa e um nobreak de pelo menos 700VA, vamos aos passos:

  1. DESLIGUE TODOS OS DISJUNTORES do quadro interno da casa (ou um geral, se tiver);
  2. Monte um cabo de alimentação padrão (NFT ou FFT) com tomadas macho nas duas pontas;
  3. Conecte esse cabo DA SAÍDA DO NOBREAK À TOMADA DA SUA CASA - qualquer uma;
  4. DESLIGUE E RETIRE DAS TOMADAS TODOS OS EQUIPAMENTOS DE ALTO CONSUMO como refrigeradores, freezers e coisas assim, deixando apenas lâmpadas para serem acionadas;
  5. Se suas lâmpadas de casa são a base de LED, melhor ainda. E se forem bivolt (90V~240V) será excelente porque a saída do nobreak geralmente é 115V (aqui no Sul, temos padrão 220V para residencial na maioria dos locais, mas minhas lâmpadas são quase todas bivolt); 
  6. Ligue o nobreak e acenda o menor número de lâmpadas possível para manter o consumo baixo e ter mais autonomia;
  7. Aproveite!

Pontos importantes: se seu nobreak tiver saída 220V e sua região for 127V, NÃO FAÇA ISSO. O contrário também vale o NÃO FAÇA ISSO. Essa é uma medida extrema e emergencial e eu não estou dizendo que isso é correto nem estou recomendando que alguém faça a mesma coisa. A maioria dos nobreaks 'pequenos' não são senoidais, e dependendo do que você for ligar na saída dele, pode danificar tanto o nobreak quanto o que você estiver tentando alimentar. A ideia aqui é tão somente ter energia na rede interna da casa para alimentar as luzes numa situação de emergência e não tocar a casa inteira na saída de um nobreak goiabinha. Obviamente que seu nobreak deve permitir o acionamento a frio (cold start) para que essa experiência dê certo. Também é de suma importância que ele esteja com carga e com baterias em dia, mesmo sendo implícito é algo que deve ser lembrado. A autonomia de um nobreak de 700VA alimentando de uma a três lâmpadas LED (odeio esse termo comercial) é grande, não posso afirmar porque quando saí de casa ainda tinha uma grande carga disponível - devo ter usado por cerca de 40 minutos ou mais e o nobreak sequer alertou alguma coisa. Tenho um SMS New Station 700bi. E adoro SMS.

E o mais importante: depois que fizer uso dessa técnica ousada, desligue o nobreak e retire-o da tomada antes de religar os disjuntores do seu quadro.

Controle remoto do Chery QQ 2011/2012 (S11) pisca LED mas não aciona travas e central de alarme

Depois de algumas investidas DIY no sapinho, estive lutando nesse controle quando ele passou a dar umas rateadas na hora de acionar a central. É um circuito bem simples, sem muita frescura - como o próprio carro - e eu não conseguia entender o porquê de ele oscilar mas não enviar sinal corretamente pra central.

Quando comprei esse carro, achei estranho terem colocado duas baterias no controle remoto, CR20XX não me lembro, mas é das mais fininhas. Pensei que fosse preguiça da ex-dona de resolver o problema da folga e do mal contato da bateria, eliminando um espaço entre a placa e os contatos com outra bateria. Sem falar que estava mascarando um defeito ao alimentar com 6V um RF projetado para operar com 3V. Mas não era preguiça. Já tinha esse problema crônico. Hoje, finalmente consegui deixar o carinha afiado e funcionando até de longe.

Não vou me aprofundar nem entrar no beabá do RF, mas quem entende um pouco de eletrônica sabe que em áudio e RF a qualidade da alimentação é fundamental para que o circuito funcione como o esperado. Nesse caso aqui em especial, colocaram um LED vermelho que pisca quando você pressiona uma das teclas. Antes de sair trocando o transistor R25 e medindo todos os capacitores, decidi simplesmente testar esse controle com mais corrente, mantendo a tensão. Fiz o teste utilizando uma célula de lítio com carga de 3,2V (2,2A) e o RF acionou a central normalmente com apenas um toque sutil nas teclas. Ou seja, alguma coisa estava 'roubando' corrente do CI, tornando a oscilação fora de padrão e interferindo na transmissão. Um adendo aqui: não sou especialista em RF, nunca trabalhei com radiofrequência aplicada, nunca fui um entusiasta da área; apenas conheço os conceitos e procuro aplicá-los da forma correta. Quando falta informação, tem a internet. Não pretendo transformar esse assunto num debate de clubinho.

Antes disso, fiz um reforço com fio de cobre pra antena desse controle, que nada mais é do que uma trilha mais grossa que quase faz uma volta completa em uma das faces da PCI. Mas o que efetivamente funcionou foi retirar da placa o resistor de 1k (R6) em série com esse LED vermelho. Toda a corrente e tensão da CR2032 foram dedicados ao CI que instantaneamente passou a funcionar como deveria. Fiz testes de muito longe, dentro do possível que meu pátio permite, e o controle acionou a central de forma eficaz e sem rodeios mesmo com toques curtos e breves. Antes dessa descoberta, pensei serem os botões o problema, mas descartei logo que fiz testes de continuidade neles. Estavam perfeitos. Era um saco quando o controle resolvia não funcionar o destravamento das portas. Muita força a troco de nada, como quando as pilhas do controle remoto da TV ficam fracas e a gente aperta mais forte como se isso fosse resolver alguma coisa. Casa de ferreiro...

Nunca entendi esses LEDs em controles de RF. Acho desnecessário e cruel para quem precisa ficar trocando essas CR2032 de dois em dois meses. Quando tinha moto, instalei o alarme dela e os dois controles (o de presença e o comum) tinham LEDS AZUIS! Uma piada, consumiam muitas pilhas ao ponto de eu só usar o de presença escondido comigo e deixar o comum sem pilha preso ao chaveiro pra entregar a um possível vagabundo que pudesse levar a moto num assalto.

Então, se você tem um QQ ou um outro veículo que possua controle remoto com LED, recomendo fortemente desativar pra economizar pilhas. E em alguns casos, também pra manter o RF redondinho. Cada caso é um caso, mas vale a pena avaliar se é possível desativar o LED sem prejuízo do funcionamento do circuito. E vale mais ainda a dica para quem pretende levar o controle pra conserto nesses chaveiros de esquina, que vão cobrar um monte de dinheiros de você e que talvez nem consigam resolver seu problema. 

Detalhe do resistor R6 retirado

Decidi manter o reforço da antena


Central de alarme de incêndio Engesul Intelbras Slim - como transformar em central de alarme residencial?!

Após alguns meses de estagnação e falta de ideias e de dinheiro também (falando nisso, aqui tem meios bacanas de dar aquela mãozinha pro site) ganhei uma central de alarme de incêndio Engesul Slim. Já tinha visto delas pelo comércio, instaladas e funcionando, e sempre me perguntei como essa bagaça funcionava. Dando aquela estudada no manual dela, pude entender que não se trata de nada além de uma central de alarme residencial com foco nos PPCI obrigatórios. Ou seja, é possível adaptar seu uso para monitoramento residencial de portas, janelas etc.

Logo, aqui se inicia a saga de transformar essa central em uma central de alarme residencial. Para começar, vou deixar o link do manual dela para os nerds de plantão torcendo pro link não sair do ar - já que a Intelbras tirou essa central de linha. Mas se isso acontecer e o projeto der certo, vai ganhar asilo permanente no Drive diyPowered.

11/06/2020, 7h40 - Dia 1

Liguei a central pra ver se dava algum sinal de vida e ela pelo menos está ligando. O display está com alguns pontos queimados mas isso se resolve facilmente, já que tenho alguns LCD compatíveis em mãos. As baterias (2x 12V 2,3A em série) estão esgotadas mas vou tentar ressuscitá-las e ver se ainda aguentam algum tempo.

Uma coisa bacana que já gostei nesse sistema é que ele monitora as tensões tanto da fonte de alimentação (DC) quanto das baterias e mostra a informação no display. Olhando aqui por cima parece ser um daqueles projetos robustos, sem frescuras e que dificilmente dá problema. Parece bastante com o projeto da central de alarme ZSE que tive há alguns anos - com a exceção do rádio que ela tinha para sensores sem fio endereçáveis nos setores. Vou fazendo meus experimentos e criando um log nessa mesma postagem para não criar aqueles tópicos mil sobre o mesmo assunto dentro do site.


14/06/2020, 8h04 - Dia 2

As baterias estão mortas, mas isso já era esperado mesmo. Testei os disparos e descobri como funciona o gatilho dos laços (ou setores) para que a central acione o alarme geral: quando o setor está em aberto (NA) com apenas o resistor de 4,7k em paralelo a central entende que houve uma violação de um sensor e dispara o alarme registrando também na memória (RAM) o evento com data e hora e o endereço. Fechando um curto no setor, a central entende que os sensores estão em espera e a central segue apenas monitorando. Isso nos diz que preciso desenvolver (ou encontrar no mercado) sensores do tipo NF que se torne NA na violação. Fácil.

O display está mesmo meio esquisito, mas talvez seja 'normal' que ele trabalhe meio 'borrado', só vou saber quando trocar ele. No mais, preciso dessas baterias para prosseguir com a saga. Ainda não entendi completamente o funcionamento do sistema, como por exemplo na hora de bloquear ou liberar os laços, ela só habilita dois laços ficando o 3 e o 4 inativos com traços (---) mas isso fica pra depois.

Como já sabemos que o circuito está ok, vou verificar esses laços 3 e 4 fisicamente na placa pra ver se tem algum dano e depois já limpo e monto a central pro aguardo das baterias.

28/06/2020, 14h25 - Dia 3

Falei antes que não sabia o porquê de os laços 3 e 4 estarem com traços (---) na configuração. Descobri que eles ficam assim porque não foram cadastrados os pontos. Fiz um teste e deu certo. As baterias ainda não consegui reposição por falta de dinheiro mesmo, mas como não há pressa... vamos brincando. Mais adiante pretendo montar um sensor experimental para aberturas (portas, janelas, portões etc.) talvez até sem fio. Vamos ver.

Cícero in memoriam (26).

19/08/2020, 10h52 - Dia 4

Esse projeto entrou oficialmente para a regra dos seis meses diyPowered a partir de hoje: reza a lenda interna que se um projeto permanece estagnado por seis meses ele é encerrado. Uma das razões dessa falta de continuidade nesse projeto (além da falta de $$) é que talvez ocorra uma mudança de endereço (talvez de Estado) e os esforços para instalar a central podem ser em vão nesse momento. E também tem o projeto da nova fonte de bancada que emerge com mais urgência porque a antiga está praticamente parada.

Polimento de farol Chery QQ3 1.1 16V 2012 - como polir em casa

O tempo é o dono deste humilde e simplório site. Quando o diyPowered foi criado - lá em 2012! - a ideia era apenas e tão somente registrar meus projetos para mim mesmo. Depois, passei a escrever artigos sobre DIY, como iniciar um projeto, planejamento... ainda iniciei artigos com dicas de reparo, criei o Drive para compartilhar materiais de difícil acesso e até alguns projetos foram disponibilizados para quem quisesse produzir em casa - como o pisca alerta para moto, que até hoje tem downloads astronômicos.

De alguns meses para cá, passei a falar sobre o sapinho da Chery, o QQ. Chamo o meu de sapinho porque além de todas as características, ele ainda é verde. É um carro que me desperta muita curiosidade, e como entusiasta automobilístico não-boçal e não-clubinho, venho eu mesmo realizando várias manutenções em casa. Algumas, apenas estéticas - como as luzes dos controles dos vidros que ficam nas portas e não possuem os LEDs de fábrica. Hoje quero compartilhar um achado muito simples e funcional para quem tem farol 'de plástico' que já está embaçado ou amarelado pelo tempo. Lembrando que farol em perfeito estado de funcionamento (não basta acender, tem que iluminar!) é item de segurança obrigatório previsto em lei. E para os fora da lei, digamos que é importante para a sua condução em segurança, mané.

O produto é o Limpa Farol da PROAUTO, vem numa bisnaga de fácil aplicação e o resultado é excelente. Comprei para testar, sem acreditar muito que fosse dar um resultado bom. Mas como o farol estava muito opaco, qualquer melhoria seria bem-vinda. Apliquei conforme manda o fabricante, esperei os dez minutos e fui polir. Meu polimento foi à mão mesmo, sem ferramentas, com muita paciência e força.

A primeira aplicação deu muita diferença. Mas como sou xarope, lavei os faróis, aguardei secar naturalmente e reapliquei o produto em seguida. O resultado final foi surpreendente, realmente o farol ficou claro. O feixe do bloco ficou exatamente como deveria ser.

Não é jabá. Só quero compartilhar essa solução fácil com quem não quer gastar muito para ter um resultado bacana em casa mesmo. E antes que digam, não: a opacidade do farol não voltou após uns dias. Faz mais de dois meses que apliquei o produto e o farol ainda é o mesmo. Sobrou bastante produto ainda no frasco, caso seja necessário reaplicar. Sai mais barato do que fazer nessas botiques automotivas e mais barato ainda do que trocar os dois blocos ópticos.


Antes da aplicação

Detalhe do farol após a aplicação

Uma observação aqui: o carro já veio com essas lâmpadas brancas horríveis que pretendo trocar tão logo. Detesto farol branco, a menos que seja de fábrica. Quem é motorista raiz sabe que a visão humana interpreta e identifica de forma mais inteligente objetos refletidos por luzes amareladas quando comparado às luzes brancas. Ou você acha que as rodovias são iluminadas com lâmpadas amarelas à toa?!

Problemas com áudio (headset e caixas de som) via bluetooth no Windows 7

Setup de áudio do Windows 7
Não vou me estender na postagem porque a Internet já está saturada desse tema e poucos caminhos levam o bom internauta até o que interessa. Tenho uma licença do saudoso Windows 7 que não pretendo parar de utilizar até que ele se torne tão obsoleto quanto o XP. E também tenho headset e caixas de som bluetooth que se recusam a funcionar nele.

Baixe os drivers CSR de acordo com a arquitetura da sua cópia do Windows, extraia os arquivos e ao invés de mandar o Windows buscar o driver automaticamente dentro da pasta, utilize aquela velha conhecida opção 'com disco'. Senão não vai funcionar. Boa sorte!

Autotrafo XEROX 105S70309 REV C 2KVA

De todas as pérolas que encontro nos anúncios da OLX, muitas vezes encontro coisa boa que é tratada como sucata. Esse trafo é um monstrengo, bizarro. Tem ajuste fino da tensão de entrada (tem foto lá embaixo) pra compensar a saída de acordo com o equipamento que será alimentado e fiação robusta para até 20A. Coisa feita direito, sem economizar mesmo.

Tem até um disjuntor pra proteção individual. Pesei ele numa balança de uso não comercial (dessas domésticas de pesar pessoas) e o carinha tem quase 30kg. O gabinete tem chapas grossas e ajuda bastante a aumentar esse peso final, mas o mais bonito mesmo fica lá dentro: o trafo é mesmo uma bizarrice de grande.

Foi só dar um talento nele, deixar limpinho e usar. Lembrando que tenho ferramentas que vieram do Sudeste, que são 127V, e esse cara aí vai substituir meu antigo trafinho de 1000VA com uma margem de segurança muito grande.










Instalando LEDs nas portas do QQ (painel de controle dos vidros)

Outra session.

Recentemente descobri que NENHUMA das portas do QQ possui iluminação nos controles dos vidros - não sei o nome correto, então vamos chamar de painel das portas - e acabei buscando por aí mais informações sobre o carrinho. Achei um fórum onde alguém desmontou esse painel (do lado do motorista) e encontrou uma placa já com todas as furações e pronta para instalar os LEDs. Mas por que a Chery não fez isso na fábrica, gente?! Uma mísera economia de um punhado de LEDs e resistores... Obviamente que se trata de uma vaidade, um plus, uma besteira, mas enfim. Depois da minha grande decepção com o acabamento (ou a falta dele) de um Onix Joy ZERO, essa questão dos LEDs do QQ fica distante de ser relevante.

Resumindo para não ficar chato: é muito fácil mexer nesse carro, é literalmente um fusca chinês. Um único parafuso prende esse painel à porta, o resto é encaixe. Desmonte tudo com muito cuidado para ter a placa na mão. Depois, não tem erro: solde LEDs de alto brilho de 3mm (escolhi verdes, mas dá para usar qualquer cor) e resistores entre 330R a 560R de acordo com esses LEDs - não precisa ser resistor SMD, pode ser daqueles bem pequenos, menores que os de 1/8W que cabe tranquilamente na hora de fechar o conjunto. Monte tudo de novo com o mesmo cuidado e pronto. 

Esses LEDs da porta variam o brilho juntamente com as luzes do painel de comandos central e backlight do display, ajustando ali naquele potenciômetro que fica ao lado da chave do farol.

Para colocar nas outras portas, o processo é o mesmo, mas requer mais habilidade porque é preciso dessoldar o conector da placa. Isso se faz necessário porque o resistor que você precisa adicionar fica embaixo desse conector.