I love my QQ - um blog dedicado ao carrinho verde

Faz algum tempo que venho com esse projeto em mente e agora parece que vai: vinha postando minhas aventuras com o QQ aqui no site mesmo, mas como se trata de um tema bastante específico, achei por bem criar um espaço somente para esse assunto.

Então a partir de hoje, todos os assuntos e dicas relacionados ao QQ serão publicados lá no outro site e não mais aqui. Adiciona aos seus favoritos aí pra não perder as dicas.

Upgrade no PC de guerra: PowerColor R7 260X 2GB GDDR5 de barbadinha na OLX!

Session.

Faz tempo que quero dar um up! no PC de guerra, presente aqui no site há algum tempo. Hoje recebi uma proposta de troca num produto que anunciei na OLX e acabei fechando negócio. Se trata da PowerColor R7 260X 2GB GDDR5, um super plus para minha máquina véia de guerra. Não pensei duas vezes e fechei, mesmo com aquele frio na barriga de sempre que dá nesse tipo de negociata. Cheguei já ligando pra ver se estava tudo certo e sim, tudo perfeito. 

Uma das coisas que gosto do hardware AMD é a robustez: ou ele funciona ou ele não funciona. Isso dá uma certa tranquilidade pra mim. Já tive dezenas de placas Nvidia e sempre me dava mal nisso: elas se tornam intermitentes ao invés de darem pau de vez.

Só lamento não ter feito fotos do estado anterior dela, estava muito suja mas muito suja mesmo. Foi totalmente desmontada, lavada (sim, lavada) e feita troca da pasta térmica da joia. Agora vai me sobrar uma Zotac Sinergy GT630 2GB GDDR3 - placa valente que me acompanha faz tempo, já na sua segunda compra após a anterior parar de funcionar - que ainda não decidi se uso pra dar um up! no media center ou se passo nos pila, como se diz aqui no Sul.
 
Antes de qualquer bla bla bla nutellês, não sou nem pretendo ser gamer. Deus me livre. Minha máquina é para desenvolvimento e trabalhos em áudio e vídeo e enquanto me atender, não vejo qualquer razão mínima para trocar minha máquina por algo 'mais novo'. Ah, a máquina utilizada nas fotos não é a minha máquina de guerra.








Bloqueador/imobilizador veicular nacional com consumo zero de stand by, sirene dedicada, LED indicador de status e garantia vitalícia??!

Isso mesmo. Parece mentira mas é a pura verdade.

Quase todo mundo sabe que eu tenho um Chery QQ que é meu xodó e que grande parte das manutenções dele sou eu mesmo quem faz. Sou um entusiasta de carros e em especial, da Chery. Recentemente instalei uma unidade do CICERO (sigla para Célula Imobilizadora de Controle Externo por Relé Ocioso) na versão Premium - embora não vá utilizar a chave-segredo e o disparo via GPS/GPRS/3G, o custo/benefício era melhor - na joia e fiquei muito satisfeito com o resultado. O prazo estimado para receber o produto é de 30 dias, por se tratar de algo sob encomenda feito de forma assistida com componentes casados e selecionados um a um. O nível de proteção contra umidade, poeira, choques físicos e vibrações é imenso, podendo ser imerso em líquidos e seguir funcionando sem problemas.

É uma instalação fácil, muito fácil mesmo. Tem muito material disponível, informação até demais pra ninguém ficar sem saber o que fazer. De início pode parecer complicado pela quantidade de fios que saem do módulo mas, quando você pega o manual e entende o funcionamento, fica uma barbadinha.

De todas as opções possíveis de bloquear o carro, optei pelo corte de combustível, atuando diretamente na alimentação da bomba. É efetivo, sem dúvidas! Testei logo de cara, antes mesmo de finalizar os acabamentos (passagens de fios, fixação etc.) e após disparar o alarme do QQ, cerca de 15 segundos o motor parou de funcionar. Tentei dar a partida por diversas vezes e não consegui! Ao desarmar o alarme do QQ, a sirene parou de tocar e pude dar a partida novamente. Gostei do resultado, muito eficaz e preciso. Como todo mundo sabe, o QQ não possui sirene na central de alarme e por esta razão, optei por instalar a sirene no CICERO, que é dedicada e item opcional. Não estou utilizando o LED indicador de status que indica atividade no módulo nem a chave-segredo, apenas o disparo padrão pela central de alarme do QQ - que requer uma pequena adaptação, muito fácil e que já mostrei aqui.

E a cereja do bolo fica por conta da garantia vitalícia. Quase inacreditável! E essa garantia vitalícia pode ser estendida aos próximos proprietários quando você vender o seu carro, ou ainda você pode migrar o CICERO para um carro novo a qualquer tempo, bastando para isso atualizar os dados junto ao registro do dispositivo. É tudo muito organizado, vale a pena!
 
Algumas fotos da instalação e o site do dispositivo para que você possa conhecer.
 
 
Detalhe do CICERO instalado

Detalhe em vermelho para a sirene dedicada

 

Mais para ver do que para consertar: no-break SMS Daker BB 1684VA 220V/220V

Já disse por aqui que adoro os no-breaks SMS. Dia desses entrou esse carinha aí, eu não resisti e tirei fotos pro site. É do Banco do Brasil e não tinha qualquer defeito - o problema estava no banco de baterias externo - somente fiz uma super revisão e limpeza física. Não encontrei muita coisa sobre ele na internet, somente sobre os modelos mais novos da linha Daker.
 












Como controlar automaticamente a velocidade de um cooler 12V com sensor termistor

Session. 
 
Aposto que você já estava com saudade de iniciar a leitura de uma postagem do diyPowered com essa palavrinha no começo. Essa vai ser rápida mas como sempre, muito proveitosa.

Recentemente troquei o gabinete do meu PC de guerra e o novo não possui uma ventilação que me agrada. Logo, pensei em colocar um cooler extra pra puxar o calor pra fora. Esbarrei em dois fatos: (1) minha placa mãe é velhinha e não possui conector para FAN quatro pinos (os melhores, porque controlam a velocidade) e (2) odeio ligar cooler diretamente nos 12V por conta do barulho. Qual a solução? Usar um cooler de 12V na linha dos 5V resolveria, tanto que já fiz isso outras vezes. Mas e se a máquina aquecer e precisar de uma ajudinha extra? Pode ser ineficiente.

Montei esse circuitinho besta aí mas que funciona de forma muito eficaz e surpreendente. Utilizei um TIP41 (suuuuuperdimensionado) para poder alimentar mais de um cooler ou ainda um cooler com consumo maior. E tem um dissipador pequeno pra deixá-lo trabalhando frio. Se você pretende alimentar somente um cooler, basta um transistor menor. Essa configuração ficou bastante sensível podendo o termistor ficar em contato com alguma superfície ou ainda num ponto crítico do gabinete.

É um circuito simples, básico, arroz com feijão. Você pode aprimorá-lo, aplicar recursos, reduzir ou incrementar o giro do cooler, adicionar mais coolers etc. O bacana é criar o simples, sem frescura, com robustez. Aproveite!

 

Novo projeto - carregador de bateria veicular inteligente para motos e carros

Há pouco saí de um projeto bastante complexo e demorado - sem falar neste e neste aqui que nem estavam previstos - e já estou aqui caçando sarna pra me coçar de novo. A coisa agora é montar meu tão esperado carregador de baterias inteligente. Faz muito tempo que quero montar esse projeto mas não tinha conseguido um gabinete bacana pra montar, e quando conseguia algum ele não comportava o hardware bruto que esse projeto tem. Como aquele projeto 'Central de alarme de incêndio Engesul Intelbras Slim - como transformar em central de alarme residencial?!' entrou para a carência dos seis meses - '(...) reza a lenda interna que se um projeto permanece estagnado por seis meses ele é encerrado' - faltando menos de um mês para seu descarte acendeu aquele LED aqui na cabeça que me fez testar a resistência e o espaço útil desse gabinete para ver se comportaria o projeto do carregador. E como lhe parece óbvio, caro leitor, já que estou aqui escrevendo essa nova postagem, tudo casou perfeitamente!

Como de praxe, vamos ver como esse projeto deve parecer:

  • Proteção contra inversão de polaridade, curto-circuito, sobretensão e queda brusca de tensão
  • Monitoramento da temperatura da bateria durante a carga
  • Suporte para baterias de 12V até 100A
  • Seleção de modo de carga: lenta com desligamento quando atingir a tensão de trabalho OU lenta com flutuação
  • Dissipação de altíssima qualidade para todos os componentes ativos críticos e ventilação auxiliar controlada eletronicamente para evitar ruído em excesso (coolers)
  • Display de monitoria (ainda não decidi se LCD 16x2 multifunção ou LED apenas com tensão)
  • Fusíveis dedicados AC, DC (power) e DC2 (bateria)
  • Chaves e cabeamentos superdimensionados (claro)
  • Indicadores visuais e sonoros
  • Alta precisão na regulagem e aplicação da carga
  • Auxiliar de partida
  • Visual analógico de corrente consumida (esse é para dar um ar retrô mesmo)

Por enquanto é isso. Vou atualizando essa postagem de acordo com o andamento dessa peleia e vamos mantendo esse registro bacana por aqui. 

** 11/11/2020

Ontem à noite coloquei o gabinete devidamente desmontado de molho para remover toda sujeira e dar um branco mais branco. Se você quiser uma dica esperta de como limpar profundamente plásticos e até remover aquele amarelado do tempo, corre aqui ó.

** 07/12/2020

Montagem da potência, reguladores e painel frontal com amperímetro analógico. Não teremos mais o display LED para mostrar a tensão mas teremos uma barra de LEDs vintage para indicar o nível de carga na bateria. O funcionamento será mais raiz: liga, carrega, flutua.

** 13/12/2020

Painel frontal quase completo, faltando o circuito indicador de carga (bargraph de 4 LEDs) e alguns detalhes. Super cuidado com a ventilação do circuito, já que temos um gabinete restrito em espaço físico e uma corrente bastante alta circulando. Falta pouco!

PROCATER MI Volt - uma nova versão do consagrado salvador eletrônico para uso interno

Já dizia minha avó que santo de casa não faz milagre e também que em casa de ferreiro o espeto é de pau. E partindo para essa postagem em clima nostálgico num domingo nublado com promessa de chuva e uma caneca de café quente e passado na mão, lá em abril de 2015 nascia o conceito de proteção inspirado na mais alta simplicidade, do tipo vó mesmo quando começa a tempestade: menino, vai lá tirar as coisas da tomada. E foi assim que uma série de dispositivos portáteis foram produzidos, a maioria a partir de demandas externas como as do meu sogro e seus racks de telefonia, lá em Bagé. A grande questão do ferreiro aqui é ter produzido várias unidades para vários clientes e até uma exclusiva para uso do meu querido sogro em seu novíssimo refrigerador e NUNCA ter produzido uma unidade sequer para meu uso. Como pode, né? Daí, dia desses faltou energia pela manhã aqui na casa nova (que agora é um apê massa e de vizinhos silenciosos) e eu, logo eu, tive que sair correndo para tirar o refrigerador da tomada, que ficou desligado até perto das 13h, quando Renata veio para almoçar. Isso poderia ter sido facilmente contornado se eu tivesse um PROCATER ali: não precisaria sair correndo, tirar da tomada nem me preocupar porque quando o fornecimento de energia elétrica fosse restabelecido, o carinha aí seria o encarregado de ligar a tomada de novo somente passado aquele pico tradicional e maligno de retorno. Para fins ilustrativos, o PROCATER é uma sigla caprichosa para Protetor Contra Alta Tensão de Retorno, ou seja, ele promove essa proteção simples e eficaz que salva equipamentos de uso contínuo. É como a vó falava: tira as coisas da tomada, menino. E se você é daqueles que lê tudo o que passa pelos olhos, deve saber que as próprias concessionárias de energia elétrica recomendam que isso - retirar os equipamentos da tomada - seja feito. Senão, dá uma olhada na sua fatura mensal, ou no site deles.

Não vou me estender demais porque esse carinha aí já é velho conhecido aqui do site, segue as premissas de hardware maduro diyPowered e da qualidade que nem preciso contar mais pra você. É feito para durar, para não dar problema e, como nada é seguro nas redes elétricas tupiniquins, se chegar a dar problema, ele se entrega sem deixar que o equipamento conectado seja atingido.

A grande diferença nessa versão em relação ao último PROCATER MI produzido é o display LED voltímetro e não mais os LEDs indicadores, além de alguma proteção adicional com varistores - ainda contamos com os filtros básicos e o fusível de linha, claro. Se quiser conhecer melhor o conceito e o projeto, conheça as versões anteriores. Esse voltímetro aí é DC e é o mesmo herdado da aposentada - e atualmente doadora de órgãos - F5812ADJ. Como já falei aqui sobre como você pode medir AC com voltímetros DC, não vou me repetir: lhe convido a conhecer outro projeto que utiliza o mesmo display pra você aprender essa manha.

O funcionamento segue o mesmo, com aquele circuito simples alimentado por trafo e totalmente code-free. Ou seja nutellada, eletrônica pura. A caixa é uma Patola PB-07, um padrão que gosto bastante de utilizar pela qualidade, variedade do catálogo Patola e pela facilidade em furar os plásticos. Não é jabá aqui, pessoal, mas me sinto na feliz obrigação de reconhecer a qualidade e o trabalho exemplar de uma empresa nacional que está no mercado desde 1975. Já vou me desculpando pelos acabamentos nessa unidade, que foi feita às pressas e sem as ferramentas e cuidados de sempre por conta da necessidade expressa e também por se tratar de um protótipo para uso próprio.









Troca do gabinete do meu trafo de ferramentas e bancada

Faz muito tempo que tenho esse trafo, praticamente 8 anos. Como já disse aqui antes, minhas ferramentas elétricas vieram do sudeste onde as instalações elétricas residenciais monofásicas são 127V. Aqui no Sul, é 220V. Logo, tinha um problema. Mas essa história eu já contei e se você quiser saber, corre lá na postagem da época!

Aquele gabinete plástico da Enermax não durou muito tempo porque o Cícero (meu finado Labrador) estava correndo pela casa e se enroscou na extensão que estava ligada no trafo, jogando ele de uma mesa diretamente no chão. Nem preciso dizer que se despedaçou por completo né. Como tinha um gabinete plástico de um no-break APC, acabei usando na época. Esse gabinete APC é muito elegante, tem bastante ventilação mas também é bastante frágil para suportar esse trafo dentro, e alguns meses depois, trincas apareceram em toda a lateral... Por sorte, consegui um gabinete metálico bem grande de um estabilizador de tensão antigo que estava com o trafo queimado - e por mais sorte ainda tirei fotos dele antes de descartá-lo no Eco Ponto aqui da cidade, adoro registros - que me serviu até ontem. Esse gabinete já estava bastante enferrujado em algumas partes e ainda tinha um conjunto de tomadas padrão antigo com bastante mal contato, o que era um problema quase sempre. Daí, na última semana me apareceu esse estabilizador podre de sujo que nem pensei duas vezes antes de pegar. Vejo muito potencial nas coisas que são jogadas fora e quando pego é porque vai sair algo bom. 

Limpando o gabinete e removendo o amarelado dos plásticos

Falando em gabinetes antigos, geralmente são brancos. E como você deve saber, partes plásticas brancas tendem ao amarelamento com o passar dos anos. Dica pra você: desmonte todo o gabinete, deixe de molho num balde sob imersão numa solução de água, sabão em pó e água sanitária por 24 horas. Grande parte da sujeira vai se soldar, bastando para isso esfregar. O amarelado das partes plásticas não vai sair mesmo, mas aqui vai o grand finale: pegue água oxigenada volume 40, passe em toda a superfície das partes plásticas amareladas sem piedade, deixe uma bangunça mesmo. Embrulhe essa peça em plástico filme ou algum saco plástico transparente e deixe exposto ao sol por pelo menos 3 horas. A grande maioria dos casos, é resolvida na primeira aplicação, mas se ainda estiver amarelado, repita o processo lavando a peça por completo, secando bem antes da nova aplicação. Pena eu não ter tirado fotos desse gabinete antes do processo, porque ficou muito bom.

Tempo recorde ou necessidade?!

Em menos de 48 horas transplantei o trafo bisonho pro gabinete novo e como sou chato e adoro uma complicação, meti várias melhorias nele: tem filtro básico na entrada 220V e filtro aprimorado na linha dos 120V. Tem fusíveis dedicados para as duas linhas de trabalho, LED indicador de energizado e LED indicador de saída energizada. E para deixar com fino trato, um voltímetro digital LED em vermelho na frente. Debochado, esse trem. Não é um trafo isolador, mas é um trafo que ainda vai me atender bastante. E não uso ele somente pra furadeira e serra tico-tico, antes que me pergunte: uso esse cara em bancada para reparo e teste de equipamentos que não possuem bivolt. São 1000VA prometidos pela Enermax que provavelmente são entregues porque já fiz esse trafo trabalhar forte e não cai tensão nem abre o bico.

Como usar voltímetro DC para medir AC?

Para fins de informação nerd, esse voltímetro é herdado da minha fonte antiga, a F5812ADJ, atualmente aposentada e doadora de órgãos. E como eu fiz pra que um voltímetro DC medisse AC?! Simples, jovem. Esse trafo - e todos os trafos que já reaproveitei de no-break e estabilizador - possui um ou mais enrolamentos que podem ser utilizados para diversos fins, apenas se deve ter cuidado porque alguns deles não são isolados da rede elétrica. Este trafo, em específico, possui um enrolamento de 10V que retificado, passa para 14V em aberto. Como ele foi feito para acionar relés e um LED indicador de ligado naquelas placas infames dos estabilizadores, tem corrente mais que suficiente para outras coisas. Na sua versão anterior, naquele gabinete antigo e metálico, ele alimentava um cooler e um LED. Sim, esse trafo aquece bastante e como o utilizava de forma recorrente, achei por bem fazer isso. Agora, com uso mais restrito, optei por não mais utilizar o cooler e adicionei algumas funções bacanas ao carinha. Então, sem mais delongas, como esse enrolamento faz parte de todo o conjunto, é óbvio que ele sofre interferência direta de qualquer queda ou incremento de tensão. Se eu já tenho um enrolamento pronto para uso, por que eu colocaria um trafo dedicado para esta finalidade?! Claro que descontadas as correntes de trabalho dos LEDs, relé e o próprio voltímetro, calibrei por meio de trimpot a tensão a ser monitorada e pronto. Variações são mostradas com perfeição pelo voltímetro, sem maiores dores ou circuitos mirabolantes e desnecessários. 

Essa modalidade de medir tensão AC é uma das mesmas que podem ser utilizadas para a esta função quando utilizamos ATMEGA ou outros microcontroladores. Não esqueça de cobrir o ponto decimal do display com fita isolante ou marcador permanente senão vai mostrar 12.0V ao invés de 120V.

Ligando o monstro

Ao energizar o trafo, o LED amarelo permanece iluminado. Esse LED amarelo é um indicador de que há energia no pós-fusível. Dessa forma, o trafo também está energizado para gerar a famosa tensão de stand by. Ok, ok, ok; vamos lá, nutellinha: a coisa aqui é feita para aproveitar peças, reduzir o desperdício, poupar o meio ambiente, consumir o mínimo de recursos próprios, trabalhar com elegância e inteligência. Não tenho mamãe, papai ou aquele patrocínio cool que você tem. Logo, foi assim: não tinha uma chave de pressão que pudesse substituir a original do equipamento, que estava deteriorada, e não iria comprar uma. A opção foi utilizar uma chave menor, de baixa capacidade para acionar um relé e abrir a saída dos 120V. E tudo isso eu tinha em casa. Perfeito! 





Tomadas padrão novo, fusível 220V (preto) e 120V (gelo)


O acabamento 'acrílico verde' do furo do display é recorte de garrafa PET e se o display fosse LED verde, teria ficado perfeito!




Medição da saída do trafo

E aqui, fotos do antigo soldado que muito me serviu. Agora vai pro descarte no Eco Ponto seguir seu curso natural. 






AT5 Slim Power - a super fonte de bancada inteligente de alta performance

Tudo começou por volta de junho desse ano, quando minha guerreira fonte de bancada passou a se entregar após anos de serventia. Tinha algumas ideias para dar um upgrade nela, já que meus últimos projetos precisaram de mais corrente do que ela poderia entregar, mas esbarrei na trabalheira que seria fazer um trafo maior caber lá dentro (não, eu não quero usar uma fonte chaveada nisso!) e ainda dar conta da dissipação de calor que aumentaria muito dentro daquele gabinete pequeno. Em agosto decidi que partiria do zero, um novo e empolgante projeto que terminaria na montagem de uma super fonte de bancada inteligente, com alta performance, proteções de ponta a ponta e um tamanho reduzido para ser prática de ser transportada. Hoje é dia 02/11 e alguns meses foram engolidos durante esse projeto, que me tomou bastante tempo e planejamento.

Antes de continuar e para não correr o risco de ser redundante nesse post, peço que conheça a fonte antiga F5812ADJ que se aposentou (e que vai servir suas peças para testes e outros projetos, é claro!) e também leia em seguida a postagem que deu início a essa jornada, lá em agosto.

Sou das antigas e fonte de bancada pra mim, tem que seguir a premissa raiz trafo-retificação-alta filtragem. Temos um mercado chinês muito eficiente inundando as prateleiras com fontes de bancada a preços atraentes mas também com projetos falhos e sem a utilização de transformador isolador, o que naturalmente inclui uma fonte chaveada barata, de alta corrente e sem qualquer tipo de proteção. Aí, meu guerreiro diyman, você está há dias em cima de um projeto utilizando uma fonte xing ling dessas e o chaveamento vai pro saco largando corrente e tensão em alta escala no seu adorado circuito. Imagina só. Isso sem falar nos ruídos impraticáveis que essas fontes geram, podendo interferir diretamente no seu projeto fazendo com que você perca horas até descobrir o porquê do microcontrolador travar, por exemplo. Por isso quis fazer uma fonte com rígidos controles e proteções. Já havia mencionado no post que deu início ao projeto sobre as características que eu gostaria de ter e ao mesmo tempo, fui atualizando novas funções ou retirando funções que antes pareciam interessantes. Ao mesmo tempo que sou prático, sou um burocrata quando se trata dos meus projetos. Agora, com o projeto concluído, veja como ficou:

Entrada: 220V ±7,4A (full power)
Proteção entrada: fusível, filtro de linha full, varistor, terra lift/ground
Saída: 1.1V a 19,4V x 4,2A x 19,300uF (entra em proteção a partir de 4,33A, trafo de 16V + 16V x 5A)
Proteção saída: curto-circuito e/ou corrente acima de 4,33A, temperatura máxima de trabalho, queda brusca de tensão, tensão de descarga (retorno), descarga brusca do banco de capacitores, carga mínima instalada para garantir corrente de ajuste atualizada
Display: tensão e corrente atuais
Ajuste: fino via potenciômetro linear
Dissipação: passiva até ±60°C, cooler aciona discretamente para equilibrar a temperatura do dissipador principal. Acima dos 85°C entra em proteção térmica acionando o cooler a full power, desligando o trafo de potência e permanecendo nesta condição até que a temperatura baixe a níveis seguros de trabalho
Porta serial: comunicação direta com o microcontrolador a partir da placa Arduino para atualização do código sem precisar abrir o equipamento e retirar o chip
Chave lift/ground: permite unir o comum do circuito da fonte ao terra da tomada ou separar, funcionalidade muito eficiente para algumas situações
Stand by: fonte permanece com as proteções ativas mesmo em espera, desliga fisicamente o trafo de potência da rede elétrica descarregando todo o circuito e mantendo o mínimo de consumo associado apenas às funções vitais (fontes independentes)
LEDs e outros indicadores: fonte possui diversos alertas sonoros e visuais para eventos de proteção, acionamento etc.
Superdimensionamento: todos os circuitos de potência foram superdimensionados para trabalhar com o mínimo de resistência natural dos condutores e componentes, resguardo de potência para trabalho com folga
Dissipador unificado: grande vantagem para monitoramento de temperatura de trabalho e para manter integrados e transistores com equilíbrio térmico

Basicamente é isso.

Não tem muito mistério além do código, a fonte trabalha normalmente com o adorável LM317 de servo mestre e um booster de corrente com dois transistores Darlington TIP125. Alguns vão dizer que eu poderia ter utilizado apenas um TIP125, eu sei disso. Mas por que fazer o carinha trabalhar sozinho perto do seu limite se podemos aprimorar com elegância e colocar mais um?! Outros dirão que eu poderia ter utilizado um transistor de maior capacidade ao invés de dois. Eu também sei disso. Essa fonte foi montada com peças que eu já tinha em casa, não é um projeto nutellinha com verba ilimitada da mamãe e do papai ou de patrocínio. Aqui o negócio é raiz, é aproveitar ao máximo a vida útil dos componentes, é enxugar custo sem perder qualidade e poupar o meio ambiente. E antes que digam 'ahhh não precisava desse cooler aí dentro pra dissipar só essa correntezinha porque o componente aguenta', o projeto é compacto e sempre faço vários testes para determinar se isso vai ser realmente necessário. Nesse caso, foi. E ele só opera se preciso, não fica girando o tempo todo. E outra, você que fica criticando projeto alheio, deveria saber quanto calor um transistor Darlington gera... agora imagina dois num gabinete pequeno sob alta corrente (4A não é pouca coisa) por várias horas ininterruptas. Funcionaria sem o cooler? Talvez. Mas será que o LM317 seria capaz de se manter trabalhando firme sob altas temperaturas? E quanto tempo essa fonte iria funcionar sem dar problema?! Viu, esses questionamentos se tornaram irrelevantes agora, jovem.

Mas vamos voltar ao ponto, já que esclarecemos os fatos. 

Quando alimentada, a fonte é acionada parcialmente via fonte de stand by, mantendo a potência desligada. Ela aciona o cooler rapidamente, acende o LED azul e logo se apaga, desligando o cooler e acionando o LED vermelho de stand by. Isso é importante por duas razões básicas: a primeira, para poupar a potência e claro, economizar energia; a segunda, para manter o cooler lubrificado e ativo, evitando que o rolamento fique engripado por falta de uso. Ao pressionar o botão power, a fonte faz um teste rápido (bip + piscadas LED amarelo) e aciona a potência, liberando tensão na saída, ligando o display frontal e o LED verde. A partir desse momento, a fonte está num estado de operação, basta selecionar a tensão desejada.

Proteção contra curto-circuito e overload

Em operação, quando a corrente exceder o valor de 4,33A levará o sistema de proteção contra sobrecarga ser acionado via ATMEGA, cortando a alimentação AC do próprio trafo de potência, protegendo toda a etapa, inclusive os diodos retificadores. É uma proteção em linha completa, cortando toda energia da potência e não somente das saídas DC. A mesma proteção é aplicada quando há curto-circuito na saída. A ação é a seguinte: corta a alimentação AC do trafo, bip, duas piscadas no LED amarelo, display frontal e LED verde se apagam. Essa condição permanecerá enquanto houver sobrecarga ou curto na saída da fonte.

Proteção contra alta temperatura de trabalho

Há duas proteções contra temperatura alta de trabalho na AT5. A primeira é controlada pelo ATMEGA e assume que partir dos 85ºC medidos no dissipador principal ocorrerá o seguinte: corta a alimentação AC do trafo, bip, LED azul acende e aciona o cooler full power, display frontal e LED verde se apagam. Essa condição permanecerá por aproximadamente 1 minuto para baixar drasticamente a temperatura de trabalho da potência. Após esse período, a fonte será acionada automaticamente alimentando a carga se a temperatura estiver dentro da faixa segura.

A segunda proteção contra alta temperatura de trabalho é mais robusta e conta com um termistor que controla o aquecimento do dissipador. Essa proteção adicional foi instalada justamente nos testes de equilíbrio térmico da fonte, nos testes finais. Foi verificado que com o gabinete montado e alimentando uma carga a partir dos 2,5A o dissipador aquece bastante, distante do valor máximo determinado na primeira proteção térmica, mas bastante acentuado para os meus parâmetros particulares. Isso poderia levar o LM317 a entrar em proteção rapidamente ou ainda reduzir bastante a vida útil do conjunto da potência, elevando a temperatura interna do gabinete e tornando seu funcionamento 'desconfortável'. Lembrando que alguns componentes não gostam de ambientes muito quentes, como os eletrolíticos.  Então, adicionei esse segundo termistor que atua diretamente no driver de acionamento do cooler, fazendo com que ele gire lentamente a partir dos 50ºC para equilibrar a temperatura do dissipador. Esse giro pode ser aumentado ou diminuído automaticamente de acordo com o incremento de temperatura medido, se tornando um eficiente mecanismo de controle e aumentando a vida útil da potência. O cooler gira de forma tão discreta que mal pode ser ouvido durante a operação.

Superdimensionamento do sistema

A premissa do diyPowered é bastante clara: respeito aos limites dos componentes. Se eu tenho um trafo que pode entregar 5A em full power, eu deveria operá-lo até os 4,2A ou ainda 4,5A. Isso causaria ainda bastante aquecimento, mas distante do que poderia ocorrer se tentássemos tirar toda a sua capacidade. Logo, se eu tenho um projeto que consome 5A em full power, qual a corrente do trafo que eu vou usar? Você talvez diga '5A'. Talvez muitos digam isso. Eu digo '6A'. Folga, pessoal. Se você quer fazer alguma coisa direito, se você quer projetar algo de qualidade, faça com que os componentes trabalhem abaixo de sua capacidade máxima. Isso é elegante, isso é inteligente. Foi assim que muitos equipamentos foram projetados há 20, 30, 40 anos e é por esta razão que muitos deles estão por aqui até hoje: receivers, tape decks, sintonizadores de rádio, CD players... Por isso montei essa fonte com folga mesmo com esse trafo de 16V + 16V x 5A que em teste de carga chegou a fornecer 5,4A sem queda de tensão. Mas aqui a gente faz a coisa do jeito certo e a AT5 ficou limitada aos seguros 4,2A entrando em proteção aos 4,33A. Corrente mais que suficiente para a grande maioria dos projetos. Tenho um outro trafo de 1200VA que pode entregar facilmente 12A, 15A numa tensão máxima de 13V mas achei meio desnecessário tanta corrente nesse momento e o monstro aí vai ficar para um próximo projeto.

Na retificação, temos dois diodos 6A6 brutos e sem frescuras e um banco de capacitores de 19,300uF. Tudo montado de forma elegante e estudada, cabeamento da potência com bitola de respeito e fixação por presilha. A tensão que alimenta a lógica, stand by, LEDs e cooler vem de uma fonte dedicada, também por trafo, não utilizando corrente alguma da fonte de potência.

Proteção AC

Na entrada de linha AC, temos o clássico fusível e um circuito de filtro de linha full, com tudo que se tem direito, até um varistor, e um cabo de força de respeito. Uma chave no painel frontal permite unir o terra da tomada ao comum da fonte, função muito desejada e pouco vista nas fontes do mercado. Aproveitei ao máximo cada espaço do gabinete, fixando componentes e placas de forma inteligente para facilitar o cabeamento e pensando sempre na dissipação, transferência de calor e claro, pensando nas manutenções futuras. Essa última, parece ser esquecida pelos projetistas e engenheiros: qualquer equipamento vai demandar algum tipo de manutenção futura e parece que isso não é levado em conta na maioria dos últimos equipamentos que reparei. Um bom exemplo disso pode ser ilustrado por alguns notebooks e nobreaks que precisam ser quase que totalmente desmontados para acessar partes críticas.

Gabinete escolhido

Esse é um velho conhecido: um gabinete de nobreak NHS de 600VA. Possui uma boa estrutura, boa resistência mecânica e uma razoável ventilação natural que foi melhorada ao retirar as tomadas traseiras e fixar uma tela. A única coisa que não ficou bacana foi a porta serial, que teoricamente deveria caber na parte de trás (já tem essa furação de fábrica) mas não passa de jeito nenhum. Poderia ter limado um pouco mas como já foi bastante desgastante furar esse gabinete (não parece mas a chapa utilizada é resistente) achei mais fácil apenas retirar a capa metálica da porta e parafusá-la assim mesmo, como está.

Esse gabinete é bastante compacto, tem uma cara de fonte de bancada moderna e fazia algum tempo que vinha pensando em usá-lo para esta finalidade. No mais, pretendo gravar um vídeo com a fonte em funcionamento pra ilustrar melhor todo o projeto. Apesar de toda trabalheira que deu, ficou muito eficiente e é sem dúvidas uma evolução à fonte anterior.


Corrente máxima em teste inicial

Teste raiz!

Tomada de ar eficiente

Lateral detonadinha do gabinete

Frontal desligado (acabamento ficou ruim mas tá valendo)

Fonte acionada (tensão mínima)

Fonte acionada (tensão máxima)

5V sem carga e terra isolado

5V sem carga e terra conectado ao comum (LED laranja)

Fonte em stand by

Detalhe do dissipador principal e da fiação

Detalhe da fixação dos componentes principais, ainda no início do projeto (embaixo do relé preto ali no meio fica a fonte dedicada para lógica e acessórios)